Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

nada acontece por acaso

nada acontece por acaso

De volta!?...

Pergunto-me e perguntam-me porque deixei de escrever aqui…

Pois, nem eu sei!

Sei que depois da minha peregrinação a Santiago,

Precisei de me recolher,

De estar mais centrada em mim.

Precisei de apagar a luz ao meu Ego,

E deixar o meu Eu crescer e amadurecer!...

Foi o que senti…

E deixei de escrever.

Só isso, nada demais!

 

Não sei se estou de volta,

Ou se isto é apenas um texto solto!

O tempo o dirá!

 

Sei que agora, que passei a barreira do meio século,

Sinto-me calma, tranquila, em paz…

Cheia de energia e vontade de fazer coisas…

E de partilhar também.

Porque não voltar a partilhar aqui as aprendizagens

Que vou fazendo neste percurso de vida?

 

Tenho aprendido muito.

Muito mesmo!

Tenho tido a sorte da vida me ter vindo a dar

Lições de vida!

Assim eu saiba ir partilhando,

Com Simplicidade, com Humildade,

Com Alegria…

E com muito Amor!

Nem tudo o que parece é...

Está muita coisa a acontecer por esse mundo fora…

Por todos os lados nos aparecem sinais do Universo!

 

Parece a dança dos despertadores,

Tocam em todo a lado,

Tocam em vários ritmos,

Em varias velocidades,

Em todas as línguas...

What the hell is going on?

 

Tudo acontece à nossa volta

Em maior ou menor escala…

“Já nada é o que era…”

No mundo, no nosso país,

Na nossa cidade, no nosso bairro,

No nosso emprego…ou desemprego,

Na nossa família, na nossa casa…

No nosso Eu…

What is happennning here?

 

Os sinais aparecem de todos os lados.

O planeta está doente,

Nós estamos a despertar de um longo sono…

De uma realidade irreal,

Onde tudo parecia que era…mas

Nada era como parecia!

 

Já não fazemos parte de um rebanho…

Já não queremos fazer o que é suposto…

Queremos fazer aquilo que sentimos,

Queremos viver a nossa verdade!

Estão aí as novas gerações,

Que nos obrigam a rever os nossos valores,

Os nossos hábitos mentais, as nossas crenças…

Temos de olhar a realidade por outro prisma,

Aceitar que fomos “programados”,

Temos de desligar o piloto automático!

There must be another way!

 

Tem de haver outra forma, outro caminho,

Da Transparência, da Verdade,

Uma nova realidade onde

Tudo o que parece, É !

Há sempre um dia...

 

Ás vezes acho que fico surda,
Não consigo ouvir,
Não consigo ouvir-me,
Ou não quero ouvir…
 
Quando temos tudo bem estruturado na nossa vida,
Às vezes viramos autómatos,
Com piloto automático!
 
Parece que temos tudo controlado,
Sentados confortáveis,
Passando os dias
a ver os dias passar…
 
Deixamos de ter controlo…
Começamos por criar hábitos
Para nos facilitar a vida,
E, eis que passamos a viver de hábitos!...
 
Assim vamos estruturando,
As nossas crenças, os nossos valores,
Até um dia…
 
Há sempre um dia em que o despertador não toca,
Em que a programação não funciona!
É nesse dia que nos surpreendemos
Connosco próprios,
Com o nosso verdadeiro poder,
A nossa intuição, a nossa criatividade…
 
Há sempre um dia em que nos
Re …conhecemos,
Em que sentimos
Que há outro caminho,
Que está nas nossas mãos!
Que podemos mudar os hábitos,
As crenças, os valores…
Que existe uma porta para a liberdade,
A liberdade de poder escolher,
De poder fazer diferente,
De acreditar,
De criar!
De me
Re-criar!

Há sempre um dia...

Pode ser Hoje!

:-)

 

O Caminho da Vida

Tenho andado ausente deste blog,
Das pessoas, do mundo…
Tenho estado comigo,
Tentando situar-me neste jogo da vida!
 
Ainda não sinto distância suficiente
Para descrever o pré e pós Santiago…
Até onde me levou aquele caminho?
 
Abri uma porta que me levou até mim!
 
Passo a passo fui revivendo,
Reaprendendo…
Sem horas, sem tempo,
Sem objectivo,
Sem pressa de chegar a lado nenhum!
 
Engraçada a facilidade como que desligamos do mundo,
Como deixamos de sentir o peso da mochila!
Ao começar a caminhar…
Parece que se desintegra tudo aquilo que julgamos fazer parte de nós,
E tudo se reintegra em sincronia
Com o nosso próprio Eu!
 
Vivemos verdadeiramente o aqui e agora,
Em cada passo…
Surpreendemo-nos com a nossa capacidade
De nos ultrapassar a nós próprios,
O cansaço até à exaustão,
Os medos, as inseguranças…
 
Os passos sucedem-se uma atrás do outro,
Tal como na vida!
O caminho é variado:
Das rectas infindáveis em alcatrão,
Aos campos, florestas e bosques,
Os pequenos riachos e as cascatas,
As pedras e os cristas que brilham
Indicando o caminho…
Os sons, os cheiros,
As cores,
A natureza na sua essência…
 
Passo a passo,
Vamos ficando mais perto e mais longe,
Ora ao sol, ora à chuva,
Seguindo os sinais,
As conhecidas setas amarelas,
No chão, no muro, numa pedra…
Tal como na vida,
Sempre que precisamos,
Aparecem os sinais que nos orientam,,,
 
Fazer o Caminho de Santiago,
É uma vivência extraordinária!
Não se descreve,
Vive-se!
 
Dizem que o verdadeiro Caminho começa
Quando acaba a caminhada!
É verdade!
Eu senti.
Eu sinto.
Eu sou. Peregrina
Do caminho da Vida!
Afinal,
O que é a Vida senão um Caminho?

BlackOUT / WhiteIN

Esta semana vou caminhar até Santiago!

Não quero saber da net, do blog,

Do skype, do msn, dos telemóveis…

BlackOUT!

 

Esta semana vou fazer o caminho!

Quero ultrapassar os desafios,

Cada pedra, cada montanha, cada km…

Quero vencer as tentações,

O cansaço, as dores, os receios…

Quero sentir cada momento

Cada passo, cada paragem, cada km…

Quero experimentar e aprender,

Quero viver-me em paz,

Quero viver,

Quero paz…

WhiteIN!

Será que existem milagres?

Claro que existem milagres!

Alguém tem dúvidas?

Todos os dias acontecem milagres,

E todos nós fazemos milagres…

só que não estamos atentos

e nem damos por isso!

 

Dizemos que tivemos “sorte”,

Que foi uma enorme co-incidência;

Mas nunca assumimos que fomos nós os responsáveis…

Porque será?

 

Gostamos muito de nos vangloriar,

E assumirmo-nos como heróis,

Quando falamos de coisas mentais, racionais,

materiais, competitivas:

- Consegui! Ganhei!

Mas não conseguimos acreditar

No nosso verdadeiro poder:

O poder de acreditar que temos o Poder!

 

O Poder de não acordar para “mais um dia”,

mas de fazer hoje, um dia diferente!

O Poder de transformar o inferno num Céu,

E o Céu num inferno!

O Poder de tornar o sonho realidade,

E fazer da realidade um sonho!

Eu tenho esse Poder,

E vou usá-lo!

Hoje!

Não há Decisões para a Vida!

Estamos sempre a tomar decisões:

O que vestir, o que comer,

O que dizer, o que não dizer,

O que, como, quando…

E quanto mais opções,

Mais difícil decidir!

 

Às vezes tomo consciência da figura que faço,

No supermercado, frente aos yogurtes….

Tantos…todos diferentes, todos iguais?!..

Um gosta desta marca, outro daquele sabor…

Acabo por levar os mesmos de sempre…

É mais fácil, mais seguro porque sei que gostam!

Decido pelo hábito!

 

Lembro-me de pensar (há 25 anos…lol)

que a gravidez tinha uma enorme vantagem:

Não tinha que escolher a roupa de manhã!

Na altura tinha 3 ou 4 vestidos,

Que iam rodando ao longo da semana.

Que bom que era

não ter de tomar decisões!

 

Mas há alturas em que

Optamos por não optar….

Aquela camisola linda,

Levo azul ou verde?

Na dúvida…levo as duas!

É mais fácil não decidir!

 

Decidir! Optar!

Sempre ouvi dizer que

“Mais vale uma má decisão

Do que a falta de decisão…”

Mas afinal…

Decidir “não decidir”,

Também é uma decisão,

Porque assim o decidi!!!

 

Sempre que escolho seguir por um caminho,

Parar num cruzamento

ou se decido voltar atrás.

Estou a decidir o melhor para mim,

Neste momento,

Aqui e agora!

Porque não há decisões para a vida,

Não há sentidos únicos,

Não há sentidos proibidos,

Há um passo à frente do outro,

Um caminhar…

 

Qualquer que seja a direcção,

que eu escolher

É a que me vai permitir aprender o que preciso;

Podia ter escolhido outra?

Obvio que podia. Mas não escolhi!

E se tivesse escolhido outro?

Se? Se? Se…se….se…..se

Para quê o se????

Não sei se…

…nem me interessa!

Como diz Ma-ho,

A minha realidade aqui e agora,

é a ausência de todos os “ses”!

 

E…

Quando eu tomo uma decisão,

O universo inteiro funciona a meu favor!

As coisas vão acontecendo, aqui e ali,

Co-incidentemente…

Basta ficar atenta aos sinais,

E agradecer!

O Comboio a apitar!...

 

Ás vezes sinto-me um E.T

(leia-se extra-terrestre)!

Em determinados contextos,

Em determinadas situações,

Com determinados grupos de pessoas!

 

Sou um ET!!

Lol!

Basta entrar cheia de energia, 

Espalhar alegria, sorrisos e gargalhadas,

Brincar com os “grandes problemas da vida”,

Desdramatizá-los,

Resumi-los à sua insignificância.

Ser diferente.

Aparentemente diferente!

Palavra chave: espiritual (whatever it means..)

 

Bingo!

Começam a definir-se as energias…

Surgem os medos, as inseguranças, as coragens,

As culpas, os espelhos…

As pessoas começam a movimentar-se

Para onde se sentem mas seguros!

 

Há os que, assumidamente, fogem!

Não querem nem ouvir falar,,,

De quê?

Nem eles sabem, porque não ouvem,

Vivem fechados em casa, de portas trancadas,

E têm até medo de espreitar pela janela…

Tentam fechar-se no seu mundo,

Que acreditam ser a real!

Pensam que controlam com mente racional,

Não se apercebem que são apenas

Seres telecomandados,

Controlados!

Eu já fui assim em tempos…

 

Há outros mais inseguros,

Espreitam pelo canto do olho,

Desconfiados….

Ficam curiosos, a ouvir…

E, a pouco e pouco vão abrindo as janelas

E reparar que lá fora…

Existe outro mundo

E que vale a pena viver!

As pilhas do telecomando começam a ficar gastas…

Ainda são controlados,

Mas sem comando à distância…

Eu já fui assim em tempos…

 

Há os “belos adormecidos”

Aqueles que estão a dormir…

E, de repente, sentem a luz,

Abrem as portas e janelas,

Querem saber tudo,

Sedentos de informação,

Começam a entender,

Que tudo faz sentido,,,

Que nada acontece por acaso…

Eu já fui assim em tempos…

 

Eu sei,

que já fui todos esses personagens,

Todos espelham uma parte de mim!

Eu sei,

Que cada um tem o seu timing,

tal com o eu tive o meu.

E também sei,

Que o comboio já partiu,

Pára em todas as estações…

Quem entrar, entrou…

Quem não entrar…

……………………………

Não sentes que o tempo

Está a passar mais depressa?!

O comboio está a chegar à tua estação!

Está na Hora!..

Esta semana estive à procura do meu Pessoalismo.

Com mais um virar de página,

Entrei no meu ultimo ciclo de 7,

E num ano 9…

Sinto que vou acabar o último capítulo

Do meu livro,

O livro da minha indivi - dualidade

Do meu Ego,

e,

Vou começar um novo livro,

O livro do meu Pessoalismo,

Do meu Eu.

 

Quero deixar de ver dualidade,

de ser indivi-dualista…

e começar a visionar

o Indivisível.

Eu somos Nós,

Nós sou Eu,

Nada mais simples!

Nada existe

Para além de mim,

E eu não existo,

Senão num todo.

 

Não há co-incidências,

Não há acasos!

Tudo é perfeito…

Porque tudo é criado por Mim,

Por Ti, por Nós!

 

E se Assim é,

Se É assim,

Está na hora de acordar!!!

E de começar a criar

A realidade que queremos para nós…

A responsabilidade é nossa!

 

Comecemos por acreditar que Somos!

Que Sou!

It is an injustice, it is...

 

 

O Calimero era aquele patinho preto com uma casca de ovo na cabeça, que se achava uma vítima do mundo:

 

“it is an injustice, it is!”

 

Acho que existe em todos nós um pequeno Calimero,

com alguma necessidade de se afirmar.

É tão fácil sentir-me vítima!

Foi uma injustiça!

Eu não mereço!

Foi por causa disto ou daquilo,

Deste ou daquele!

No limite,

Foi castigo de Deus!

 

Acho que durante anos fui uma Calimera brilhante!

Conseguia sempre arranjar forma de justificar

Tudo o que fazia,

Ou que não fazia!

Encontrava sempre uma razão

Que me tornava vítima da situação!

 

A responsabilidade

(há quem lhe chame culpa)

Lá bem no fundo, não era minha:

- Eu isto, PORQUE aquilo..!

Procurei sempre algures no passado,

a causa para  presente,

o tal “porque…”

E era fantástico,

Porque havia sempre uma causa,

Que fazia de lobo mau…

e eu ficava como a avozinha,

Coitadinha, que nada podia fazer…

Uma vítima!...

 

Quando comecei a ter coragem,

De me ver através do espelho,

Vi, em mim,

a avozinha, o capuchinho,

a caçador e também o lobo mau!

Tudo não passava de uma fantasia…

Só estou ali Eu,

Mesmo que Eu

Seja o somatório de vários Eu!

 

Posso representar vários papéis,

Mas sou sempre Eu,

Consciente e responsável.

Que decido a cada momento,

O meu caminho…

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D