Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

nada acontece por acaso

nada acontece por acaso

Os psicólogos que me perdoem…

Muito se fala do problema das novas famílias, monoparentais, pluriparentais e outras formas parentais que deve haver por esse planeta fora…

Toda a gente fala e centra a discussão no “problema dos filhos”, da criança “coitada” que tanto sofre com a separação dos pais…

Depois, mais tarde…tudo o que o adolescente faça de errado….foi por causa da separação dos pais!

Bull shit!

 

Se há coisa que aprendi com a minha separação (e que vai contra tudo aquilo que “supostamente” a psicologia defende) foi que os meus filhos ganharam muito com a separação!

Deixaram de ter uma relação com os pais “casal”.

Ok. Mas…

Ganharam uma relação pessoal com a mãe,

E uma relação pessoal com pai!

E a soma destas duas foi superior à unidade!

 

No meu papel de mãe, senti também que tinha ganho alguma coisa,

Sobretudo a Verdade na relação com cada um dos meus filhos.

Consegui estabelecer uma relação específica com cada um;

Não fui mãe de três filhos,

Fui mãe de cada um dos meus três filhos,

Mãe por inteiro,

Não como parte de um todo!

 

Não vou comentar a excelente relação dos meus filhos com o  Pai,

Mas sei que tiveram, também, um Pai por inteiro!

 

Sei que a nossa separação foi muito amigável,

E, sinceramente, não conseguirei nunca entender

os divórcios litigiosos,

os jogos emocionais com os filhos,

as chantagens das crianças com os pais,

o alimentar progressivo de invejas, ódios, rancores…

Medos….

 

A separação foi período mais difícil da minha vida.

Ao fim de 16 anos de casada,

Com 3 filhos (de 7, 13 e 15 anos),

O meu mundo ruiu,

Os meus valores, as minhas certezas,

A minha segurança…

Eu…

Onde estava o meu Eu?

 

Tive medo? Sim, muito.

Senti culpa? Sim, muita.

Perdoei-me …

E reencontrei-me.

 

Quando olho para trás,

Não me arrependo…

Sei que todo o processo fez parte da minha aprendizagem de vida.

Sei que os meus filhos

Nos escolheram para Mãe e Pai,

Escolheram o nosso verdadeiro Eu,

Não a nossa presença ou ausencia física

mas a nossa Verdade,

Que os ajudará a percorrer o seu próprio caminho!

 

Os Filhos, genéticos, enteados ou adoptados,

Escolheram

Mãe e Pai,

Casados, solteiros, viúvos ou divorciados,

Para com eles trocarem experiências

E aprendizagens de Vida,

No pressuposto que,

Cada um viva pessoalmente

a sua Verdade!

 

Nada acontece por acaso!

34 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D